Vídeo mostra helicóptero sequestrado para resgatar presos deixando criminosos em morro de Niterói


Nesta quarta, Polícia Civil anunciou ter identificado a dupla que rendeu o piloto; os dois ainda não foram encontrados. Investigadores também suspeitam de traficante como mandante do crime. Vídeo mostra quando helicóptero sequestrado para resgate de presos deixa criminosos no Caramujo, RJ
Um vídeo obtido pelo RJ2 mostra a última imagem do sequestro do helicóptero para uma tentativa de resgate de presos de Bangu, na Zona Oeste do Rio. Na imagem, a aeronave aparece no Morro do Castro, em Niterói, e a dupla que havia rendido o piloto corre em disparada.
De acordo com as investigações da Delegacia de Repressão ao Crime Oraganizado (Draco), a dupla foi identificada, por meio de outras imagens (veja abaixo), como Marco Antônio da Silva, o Pará, gerente das bocas de fumo da região, e Khawan Eduardo Costa Silva – ambos integrantes de uma facção do tráfico de drogas.
A polícia afirma que foram eles que alugaram o helicóptero com o objetivo de resgatar presos do Presídio Vicente Piragibe, no Complexo de Gericinó, em Bangu.
O plano acabou frustrado depois que o piloto da aeronave, o também policial Adonis Lopes de Oliveira, entrou em luta corporal com os criminosos.
‘Imaginei que aquele pudesse ser meu último voo’, diz piloto da polícia sequestrado em helicóptero
Vídeo mostra suspeitos de tentativa de sequestro a helicóptero no Rio
Ambos foram reconhecidos pelo piloto e aparecem em vídeos de um circuitos interno de câmera enquanto aguardam o abastecimento do helicóptero (veja acima).
Os investigadores descobriram também que a dupla exigiu um helicóptero esquilo, que coubesse pelo menos cinco passageiros. Para a Polícia Civil, este é um indicativo de que o plano era resgatar mais de um traficante preso.
Na noite de terça-feira, a Draco conseguiu localizar o carro usado para deixar os dois criminosos no heliponto da Lagoa, na manhã de domingo. O motorista de aplicativo foi contratado, recebeu R$ 100 pela corrida, entre a região de Niterói e a Lagoa Rodrigo de Freitas.
“Encerramos essa primeira fase da identificação dos que participaram do sequestro. Agora vamos partir para a segunda etapa, identificando os alvos e tentando prender todos eles”.
Pará (alto) e Kahwan, suspeitos do sequestro ao helicóptero
Reprodução
Imagens analisadas
A Polícia Civil divulgou imagens da dupla na preparação para o crime.
Num primeiro vídeo, às 10h56 da manhã de domingo, dia 19, Pará e Kahwan chegam no heliponto da Lagoa para o embarque na aeronave. Um carrega uma bolsa a tiracolo.
Khawan vem em seguida arrastando uma mala pequena de rodinha. Os investigadores sabem que ali dentro eles levavam dois fuzis, usados para render Adonis no trajeto de volta de Angra dos Reis.
Outra imagem divulgada é na sede da HeliRio, no Recreio dos Bandeirantes. Assim que saíram da Lagoa, eles foram até lá para abastecer e deixar o dinheiro pago pelo aluguel da aeronave – 14.500 reais em espécie.
Os dois aparecem de frente, o que facilitou a identificação. “Pará já estava foragido, pois foi preso, ganhou um benefício e evadiu do sistema. Ele é o gerente do Sabão, homem de confiança do Cabeça, que é o dono da favela e está preso no mesmo Vicente Piragibe”, explicou o delegado.
Ainda é investigado se houve a participação de outras pessoas no plano. “Se houve participação de algum policial penal, cabe a apuração à corregedoria da Seap”, disse Pena Junior.
Khawan foi identificado como sequestrador do helicóptero
Reprodução
Suspeito de ser o mentor
Os investigadores também identificaram o preso Carlos Vinícius Lírio da Silva como principal suspeito de ser o mentor do plano. Conhecido como Cabeça, ele é o chefe do tráfico da comunidade do Sabão, no Centro de Niterói, na Região Metropolitana.
Carlos Vinícius Lírio da Silva foi identificado como mentor do sequestro do helicóptero
Reprodução
Polícia localiza carro de sequestradores de helicóptero no Rio; imagens mostram veículo chegando a heliponto
O criminoso foi investigado por, mesmo preso, comandar algumas das mais recentes guerras pelo controle de territórios na cidade.
Cabeça era um dos quatro detentos que estavam na quadra do Presídio Vicente Piragibe, no complexo penitenciário de Gericino, à espera da chegada do helicóptero, que havia sido sequestrado, na tarde de domingo.
De acordo com informações obtidas pelo g1, Cabeça estava junto com Marcio Gomes de Medeiros Roque, o Marcinho do Turano, principal chefe da maior facção criminosa do Estado, o Comando Vermelho, na quadra da unidade prisional, de regime semi-aberto, por volta das 17h20 do último domingo.

Também demorou a entrar na galeria José Benemário da Araújo, chefe do tráfico na Favela do Mandela, preso no Paraguai em 2013.
“Os quatro estavam ali enrolando pra entrar de volta na galeria”, explica uma fonte.
Apesar de a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) não dar informações sobre a investigação, que corre em sigilo, a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) transferiu Marcinho do Turano direto para Bangu 1 (unidade de segurança máxima) no início da noite de ontem.
“Não há dúvida de que há um mentor e que era um plano do Comando Vermelho. Durante o voo, depois do resgate frustrado, eles queriam que a aeronave pousasse no Complexo da Penha. Depois desembarcam em outra favela da mesma facção (Morro do Castro), em Niterói”, afirma o delegado, na coletiva desta quarta.
Cabeça do Sabão está preso no Vicente Piragibe e participou diretamente de outra fracassada tentativa de resgate, em 2005.
Na época, bandidos tentaram libertar traficantes que iriam depor no Fórum da Ilha do Governador. No ataque, dois policiais civis acabaram morrendo.
Cabeça é apontado ainda pela polícia como chefe da comunidade do Sabão, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.
A localidade é próxima ao centro da cidade e fica junto a um dos acessos à Ponte Rio-Niterói.
Investigações mostram que a favela do Sabão é a principal área de venda de drogas da cidade. Cabeça é conhecido também como “senhor das guerras” em Niterói.
Ele é investigado por orquestrar confrontos recentes com outras facções na tentativa de expandir os negócios do Comando Vermelho em Niterói.
Segundo investigações, Cabeça apoiou o confronto para tomar o Morro do Estado, no Centro de Niterói. A disputa e os tiroteios tiveram início em novembro de 2020 e duraram até junho de 2021.
O criminoso foi alvo ainda da polícia e do Ministério Público estadual na Operação Disney que descobriu que uma empresa se associou a traficantes para o fornecimento de sinal de internet clandestino em áreas dominadas pelos criminosos da facção.
Polícia localiza carro de sequestradores de helicóptero no Rio
O sequestro
Adonis Lopes, piloto da Polícia Civil
Reprodução/TV Globo
O piloto da Polícia Civil do Rio Adonis Lopes, que pilotava um helicóptero particular, teve que fazer uma manobra sobre o Batalhão da Polícia Militar em Bangu, Zona Oeste do Rio, para fugir de dois passageiros que o haviam rendido durante o voo.
Segundo a polícia, os passageiros contrataram um voo para Angra dos Reis, no sul fluminense, com previsão de retorno ao Rio nesta segunda-feira.
Piloto que levou grupo que sequestrou helicóptero em Angra diz que tentativa de pousar em presídio não tinha como dar certo: ‘Suicídio’
No final da tarde deste domingo (19) eles informaram que voltariam no mesmo dia. Como o piloto que fez o voo não estava se sentindo bem, solicitou ajuda de outro colega.
Os criminosos queriam que o piloto sobrevoasse a penitenciária. Adonis relatou que foi rendido, já no ar, com uma arma, e recebeu a ordem de ir até o Complexo Penitenciário de Bangu, que fica localizado ao lado do 14ºBPM, no mesmo bairro.
Adonis Lopes chegou a entrar em luta corporal com os homens durante o voo e que eles desistiram do plano quando perceberam que o helicóptero poderia cair.
Em nota, a polícia informou que quando sobrevoava o batalhão, o piloto fez uma manobra para simular um queda e a dupla deixou que ele voltasse a pilotar. Ainda segundo a polícia, os criminosos ordenaram que o piloto voasse até Niterói, na Região Metropolitana. Os homens pularam da aeronave e fugiram para uma região de mata.
Arte mostra o que aconteceu no sequestro do helicóptero no RJ, segundo o relato do piloto Adonis Lopes
Infografia: Wagner Magalhães/g1

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.