Queiroga foi aos EUA para acompanhar Bolsonaro e Michelle em eventos, diz agenda

Queiroga
Queiroga na ONU – Foto: Reprodução

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, entrou em isolamento social após ser diagnosticado com Covid-19. Desta forma, toda sua agenda oficial precisou ser derrubada. Não que isso faça alguma diferença, já que ele teve dois eventos sem o presidente Bolsonaro e a primeira-dama.

Segundo a agenda do ministro, ele chegou aos Estados Unidos no domingo (19). O chefe da pasta da Saúde fazia parte da comitiva do governante brasileiro. No dia seguinte, logo pela manhã, reuniu-se com investidores no Consulado geral do Brasilem Nova York.

Por volta das 11h30, ele acompanhou o presidente Jair Bolsonaro no encontro com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. No fim da tarde, o ministro da Saúde acompanhou a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em uma reunião. Ela conversou com o Presidente da Rare Disease International.

No dia 21, Bolsonaro se encontrou com Antonio Guterres. E Queiroga estava lá, ao lado do chefe do executivo brasileiro. Depois assistiu ao discurso do presidente na abertura da Assembleia-Geral da ONU.

Após o almoço, participou do Evento especial do 59º Conselho Diretor da OPAS: Transferência de Tecnologia para a produção de vacinas de MRNA. Horas depois, voltou a acompanhar Jair Messias. Os dois foram ao Memorial Nacional do 11 de Setembro.

Leia mais:

1 – Estudantes tentam barrar homenagem da Alesp a militar que mandou invadirem a PUC

2 – Vulcão de La Palma destrói 320 construções e 154 hectares de terra na Espanha

3 – Marco temporal, garimpo e Covid ameaçam indígenas no Brasil

Queiroga e a caminhada

O ministro passou boa parte do tempo acompanhando Bolsonaro e a primeira-dama. Os poucos momentos que esteve sozinho, segundo a agenda, há um fato que chama a atenção.

No dia 21, Marcelo resolveu sair do hotel por volta das 7h30 para ir à sede da ONU. Ele caminhou do prédio onde estava hospedado até o local do evento. Horas depois, retornou ao estabelecimento a pé novamente. Vale relembrar que faltou na agenda dele citar os gestos obscenos feitos pelo ministro para manifestantes.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.