Carrefour implanta novo sistema de segurança 10 meses após morte de João Alberto no RS


Entre as mudanças está o fim da terceirização de agentes, uso de câmeras nos uniformes, treinamento e diversificação do perfil de pessoal, com maioria negros e mulheres, diz empresa. Carrefour muda perfil do setor da segurança após morte de homem negro no RS
Ao completar 10 meses da morte de João Alberto Silveira Freias, homem negro assassinado em uma unidade do Carrefor em Porto Alegre, a empresa anunciou a conclusão da implantação de um novo sistema de segurança em suas lojas.
Entre as medidas, estão o fim da terceirização e a contratação de agentes próprios, o treinamento dos profissionais, o uso de câmeras acopladas ao uniforme e a adoção de critérios de diversidade para compor o efetivo das lojas.
CASO JOÃO ALBERTO: Relembre crime em perguntas e respostas
PROCESSO: Reconstituição tem versões dos réus
INDENIZAÇÕES: Viúva fecha acordo com o Carrefour
As novas práticas começaram a ser adotadas nas lojas de Porto Alegre, entre elas a do bairro Passo D’Areia, onde houve o caso, servindo como modelo para outros estabelecimentos da rede no Brasil.
Segundo Claudionor Alves, diretor de Segurança, Riscos e Prevenção do Grupo Carrefour Brasil, a nova política da empresa faz com que a maior parte do efetivo seja de negros, com pouco mais de um terço de mulheres. Veja vídeo acima.
No Rio Grande do Sul, foram contratados 134 agentes para as seis lojas da rede no estado. No Brasil, são mais de mil profissionais, entre contratados e antigos terceirizados incorporados pela empresa.
“Nós tivemos já 1.013 contratações. Desses, 68,81% são negros, ou seja, pessoas que se autodeclaram negras ou pardas; temos 35,93% mulheres”, diz.
Segundo a direção da empresa, as mudanças começaram em dezembro de 2020 e sendo adotadas ao longo de 2021. Em junho, o Carrefour firmou um termo de ajustamento de conduta (TAC) de R$ 115 milhões em ações de combate ao racismo.
Homem negro é espancado até a morte em supermercado do grupo Carrefour em Porto Alegre, em novembro de 2020
Reprodução
O diretor de Gestão de Riscos do Grupo Carrefour Brasil, Jérôme Mairet, pontua a mudança de foco da segurança em si, com o fim de reduzir as perdas das lojas, para o auxílio ao cliente. A empresa afirma ter colocado em prática um protocolo para administrar situações de conflito. Veja vídeo abaixo.
“Esses protocolos têm o objetivo de humanizar o relacionamento e de não necessariamente dar uma resposta de segurança a todos os problemas e todos os conflitos que a gente encontra na loja. Hoje a missão do agente de prevenção numa loja do Carrefour é de atender o cliente”, sustenta.
RACISMO: 61% já viram discriminaçao em estabelecimentos
Na segurança externa, que trabalha no controle de acesso e estacionamento, por exemplo, o Carrefour segue contratando seguranças terceirizados. Segundo a empresa, a lei exige a contratação de empresas com autorização da Polícia Federal para operar.
Diretor do Carrefour fala de mudança na política de segurança das lojas
De acordo com Claudionor Alves, tanto clientes quanto funcionários deram retornos positivos em relação às medidas aplicadas, inicialmente, em Porto Alegre.
“A gente teve que trabalhar muito fortemente com educação, tendo como premissa básica o letramento racial, a prática do respeito”, comenta.
Negro, Claudionor Alves afirma que seu trabalho no rede, iniciado em janeiro de 2021, não se dá “simplesmente para ocupar uma cadeira de diretor”. O executivo ressalta sua carreira e experiência na área a fim de “trazer valores” à companhia.
Uma empresa de auditoria externa foi contratada para verificar o andamendo das adequações promovidas pelo Carrefour, afirmam os diretores.
Seguranças passaram por treinamento e atuam com câmeras acopladas no uniforme
André Feltes/Divulgação
VÍDEOS: Tudo sobre o RS
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.