Bancos centrais e JP Morgan alertam para colapso de criptomoedas após fortes quedas

Dado Ruvic/Reuters

Dado Ruvic/Reuters

Presidente do Banco Central da Suécia comparou negociação de bitcoin a comércio de selos; na última semana, a cotação da criptomoeda caiu cerca de 10%

O bitcoin e as criptomoedas sofreram um forte movimento de venda na última semana, apesar de um plano audacioso para aumentar o preço da moeda digital. A cotação do bitcoin caiu cerca de 10% entre a segunda (6) e a sexta-feira (10), e moedas como o ethereum, cardano, BNB, XRP e dogecoin registraram quedas ainda mais acentuadas. Isso aconteceu mesmo depois que El Salvador adotou o bitcoin como moeda corrente e após o banco britânico Standard Chartered prever que o preço dele e do ethereum, por exemplo, poderia explodir.

Dois importantes bancos centrais começaram a alertar que o bitcoin e outras criptomoedas correm o risco de entrar em colapso e não são “uma boa reserva de valor”.

LEIA MAIS: Congresso dos EUA discute 18 projetos de lei para regulamentação das criptomoedas e blockchain

“Moedas privadas geralmente entram em colapso mais cedo ou mais tarde”, disse o presidente do Banco Central da Suécia, Stefan Ingves, em uma conferência bancária em Estocolmo, transmitida pela emissora norte-americana Bloomberg. “E, claro, você pode ficar rico negociando bitcoin, mas é como comprar e vender selos.”

Enquanto isso, o presidente do Banco Central do México, Alejandro Diaz de Leon, disse que o bitcoin é mais um meio de troca do que uma moeda fiduciária “evoluída”, chamando-o de um investimento de alto risco e uma reserva de valor pobre devido às oscilações violentas dos preços.

O preço do bitcoin subiu 350% nos últimos 12 meses, mas é preciso nervos de aço para investir na criptomoeda – só na terça-feira (7), a moeda caiu quase 20% antes de se recuperar. O mercado de criptomoedas como um todo cresceu cerca de 170% desde janeiro, com grande parte da alta puxada por ethereum, cardano, solana, BNB, XRP e dogecoin.

“Receber um bitcoin em troca de um bem ou serviço é um processo mais semelhante a uma troca, já que essa pessoa está dando um bem e recebendo outro tipo de bem, e não realmente dinheiro”, disse Diaz de Leon. O comentário do presidente do banco central mexicano derramou um balde de água fria nas expectativas de que o país seguiria El Salvador na adoção do bitcoin como moeda oficial.

“As pessoas não querem que seu poder de compra e seu salário subam ou desçam 10% de um dia para o outro. Você não quer essa volatilidade em seu poder de compra. Nesse sentido, [a criptomoeda] não é uma boa salvaguarda de valor.”

O alerta dos dois bancos centrais sobre o colapso do bitcoin veio depois que analistas do JP Morgan apontaram para a “obsessão e especulação” dos investidores de varejo em relação ao mercado de criptoativos, especialmente na negociação de solana, BNB e cardano – criptomoedas particularmente propensas a um sell-off, segundo o banco.

“A última fase de obsessão dos investidores de varejo pelos mercados de criptomoedas foi entre o início de janeiro e meados de maio. Esse grupo está fazendo os mercados de criptomoedas excessivamente especulativos novamente”, escreveram os pesquisadores do JP Morgan.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

O post Bancos centrais e JP Morgan alertam para colapso de criptomoedas após fortes quedas apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.