Os protestos e os desconectados

Protestos públicos contra o presidente Bolsonaro registraram-se ontem em 15 capitais brasileiras.  Comparar os públicos de ontem com as gigantescas multidões que estiveram no 7 de setembro chega a ser risível.  A diferença de público foi realmente colossal.

Encontro teve caráter partidario em SC – Foto: NDmais

Organizados pelo MBL e VPR, os eventos pareciam muito mais  com os comícios eleitorais.  O oportunista presidente nacional do Partido Novo, João Amoedo, nem tentou escamotear o principal objetivo dos protestos.  É candidato à Presidência em 2022 e as faixas e cartazes mostraram que a campanha já começou. E com uma salada ideológica realmente inimaginável: DEM, PSB, PDT, PCdoB,  Cidadania, etc.  PT e PSol desistiram na véspera, porque previam o fracasso.

Tentativa de reunir esquerda e direita, na busca da terceira via, com Dória, Mandeta e companhia, revelou-se um tremendo tiro no pé.

Nas redes sociais, os bolsonaristas deitaram e rolaram com piadas, ironias e todo tipo de gozação sobre os opositores.  As imagens justificaram as galhofas, porque são incontestáveis. Exibiram na mesma tela dos computadores e dos celulares, o mar de verde e amarelo na Avenida Paulista no Dia da Pátria e o diminuto público no encontro de ontem.  Comparativos que se repetiram no Rio, Belo Horizonte e outras cidades.  Em algumas delas, alguns gatos pingados.

O ato realizado em Florianópolis teve alguns destaques. Houve o predomínio de bandeiras do PDT e campanha aberta em torno do presidenciável Ciro Gomes.  O público presente, contudo, não poderia ser mais frustrante. Não conseguiu preencher nem as escadarias da Catedral.

A semana terminou com outras observações políticas. A maior delas, a constatação de que os partidos políticos estão cada vez mais desconectados da sociedade.  As instituições da sociedade civil, em outros tempos identificadas e na linha de frente da cidadania, ficaram na total contramão, como o petista presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, fazendo campanha contra a presença dos brasileiros no 7 de setembro.  Ou a postura da velha mídia, ignorando as maiores mobilizações populares da história e considerando-as antidemocráticas.

O Brasil está mudando e o povo acordou.  Políticos corruptos, empresários indecorosos, imprensa manipuladora e  falsos líderes , que se negam a enxergar as imagens e a realidade, estão com os dias contados.

*

 

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.