Inflação sobe acima do esperado em agosto e preocupação dos economistas se estende para 2022

SÃO PAULO – Pressionada pelo aumento dos preços de combustíveis, automóveis, alimentação e energia elétrica, a inflação voltou a apresentar em agosto desempenho acima do esperado pelo mercado financeiro, elevando as preocupações de economistas que a alta dos preços perdure em 2022.

No último mês, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,87% ante julho, acima da alta de 0,71% esperada por economistas consultados pela Refinitiv, e o maior resultado para o mês desde 2000. Com isso, o indicador acumula altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses.

No período, oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta, com destaque para os transportes, que tiveram a maior elevação nos preços. Puxado pelos combustíveis, o grupo registrou a maior variação (1,46%) e o maior impacto (0,31 p.p.) no índice geral.

A gasolina, por exemplo, subiu 2,80% e teve o maior impacto individual (0,17 p.p.). Etanol (4,50%), gás veicular (2,06%) e óleo diesel (1,79%) também ficaram mais caros no mês.

Na avaliação de economistas do mercado financeiro, o dado traz um viés negativo, principalmente por conta da rápida disseminação e generalização de aumento dos preços no índice.

“As pressões não foram concentradas em um único componente, o que é uma grande preocupação pensando em política monetária. Vimos que a inflação é bem disseminada e atinge quase todos os setores da economia”, afirma João Leal, economista da Rio Bravo Investimentos.

Segundo ele, o risco é de que essa alta generalizada continue pressionando a inflação de 2022, impulsionando as expectativas e forçando o Comitê de Política Monetária (Copom) a colocar a Selic em níveis acima de 8% ao ano.

Leia mais:
• Confira 3 investimentos para proteger sua carteira da alta da inflação

Leal conta que as expectativas para o IPCA na Rio Bravo, atualmente em 8,1% para 2021 e em 4%, para 2022, estão em revisão, com viés para cima.

Diante de dados de inflação mais elevados em agosto, o Credit Suisse já elevou suas projeções para o IPCA este ano, de 7,7% para 8,1%.

Na avaliação dos economistas do banco, os números divulgados nesta quinta reforçam uma dinâmica “muito negativa” para a inflação e mostram que as pressões inflacionárias no país continuam altas e não devem diminuir nos próximos meses.

“O processo de desinflação no país será difícil, pois a inércia está alta e as expectativas de inflação para 2022 continuam aumentando”, escreve o Credit Suisse.

Apesar de elevar as estimativas para o índice este ano, a casa mantém a projeção de inflação em 5,0% em 2022, com os riscos concentrados na alta.

Para a política monetária, o banco espera que o Banco Central aumente a taxa de juros em 100 pontos base nas próximas três reuniões consecutivas, atingindo 8,25% ao ano em dezembro de 2021.

Na XP, o time de macroeconomia afirma que a surpresa no indicador também deve ser incorporada à projeção para a inflação este ano, ficando acima de 7,7%, que é o cenário-base atual.

A casa chama atenção ainda para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) divulgado na quarta-feira (9), que trouxe uma preocupação adicional com a pressão sobre os preços dos produtos, com maior repasse aos consumidores. Segundo a XP, isso deve elevar as projeções da casa para o IPCA de setembro e outubro.

Já Alberto Ramos, diretor de pesquisa econômica para América Latina do Goldman Sachs, avalia que o cenário atual de alta pressão inflacionária, maiores riscos políticos e fiscais devem levar o Banco Central a antecipar o caminho para uma taxa de juros acima de neutra.

“Pressões significativas de preços de custo e insumos, aumento da inflação de serviços, riscos político e fiscal persistentes, bem como a rápida generalização de efeitos de segunda ordem e forças inerciais já estão contaminando as perspectivas para a inflação em 2022”, escreveu, em relatório.

Neste cenário, Ramos espera alta de pelo menos 100 pontos-base da taxa Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a ser realizada neste mês.

O relatório Focus, do BC, mais recente, também espera elevação de 1 ponto percentual da Selic no próximo encontro, para 6,25%, com a taxa básica de juros encerrando este ano em 7,63% ao ano. Já para o IPCA, as expectativas apontam para alta de 7,58% em 2021.

“Em geral, a dinâmica recente (incluindo aumento das expectativas de inflação para 2021 e 2022 e o grande aumento nos preços dos combustíveis) requerem um acompanhamento atento e uma taxa de política acima do neutro”, completa Ramos.

Para entender como operar na bolsa através da análise técnica, inscreva-se no curso gratuito A Hora da Ação, com André Moraes.

The post Inflação sobe acima do esperado em agosto e preocupação dos economistas se estende para 2022 appeared first on InfoMoney.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.