Mais de US$ 1 bilhão em ether foi queimado após atualização na Ethereum

Em apenas seis semanas após a atualização hard fork da rede Ethereum apelidada de “London”, mais de US$ 1 bilhão em ether (ETH) já foi queimado . Quase 300 mil ETH já foram removidos permanentemente de circulação para cobrir taxas básicas de transação, mecanismo introduzido para trazer uma série de benefícios para a segunda maior criptomoeda do mercado, como custos administrativos menores e valorização de preço.

  • Primeiro ETF de ether da América Latina estreia na bolsa de valores B3
  • Ethereum e ether: o que é, pra que serve, cotação e como comprar
Ether, criptomoeda nativa da rede Ethereum (Imagem: Peter Patel/ Pixabay)
Ether, criptomoeda nativa da rede Ethereum (Imagem: Peter Patel/ Pixabay)

De acordo com o site de monitoramento de blockchain etherchain.org, 298.097 ethers foram queimados e permanentemente removidos de circulação desde que a atualização foi implementada em 5 de agosto.

A hard fork “London”, que foi uma atualização complexa implementada nos nodes do blockchain, ativou na rede principal da Ethereum cinco propostas de melhorias. A EIP-1559 foi a principal e mais importante delas, que introduziu a queima da criptomoeda nativa para cobrir parte das taxas de transação, que se encontravam caras e voláteis. Além disso, o recurso também foi projetado para dar à rede a capacidade de processar mais transações.

Queima de ether reduz e estabiliza taxas de transação

Agora, seis semanas após a atualização, a rede está começando a colher os benefícios da London. Embora as taxas de transação ainda estejam se aproximando de sua máxima histórica, a volatilidade do preço diminuiu. Esse valor é definido a partir de quanto os usuários estão dispostos a pagar.

Existem dois tipos de cobranças que se combinam para criar o valor da taxa de transação completa da Ethereum. A primeira se chama “taxa básica”, que é o preço obrigatório que um usuário deve pagar para que sua transação seja adicionada a um bloco. A segunda é a chamada “taxa de prioridade”, ou “gorjeta”, é discricionária e pode ser incluída para incentivar os mineradores a priorizar a transação.

A atualização implementou um aumento ou redução da taxa básica de 12,5% por bloco, dependendo do nível de demanda no bloco anterior. Após o hard fork, os mineradores ainda recebem a taxa de prioridade; entretanto, todo o ether que é usado para pagar pela taxa básica agora é “queimado” e removido permanentemente da rede.

Remoção de criptomoedas aumenta preço do ether

Preço do ether nos últimos 30 dias (Imagem: Reprodução/ CoinDesk)
Preço do ether nos últimos 30 dias (Imagem: Reprodução/ CoinDesk)

Naturalmente, a remoção de moedas digitais em circulação está aumentando a escassez do ativo, algo que não ficou despercebido pelos investidores. Assim, o ether já está passando por um constante aumento de preço, atualmente na casa dos US$ 3.500 e possivelmente caminhando novamente para sua máxima histórica de mais de US$ 4 mil.

O mecanismo de queima ainda deverá eliminar cerca de 2,56 milhões de ETH ao longo de um ano. De outra forma, o montante estaria inflando o fornecimento da criptomoeda. A preços atuais, essa quantia de ether equivale a US$ 8,89 bilhões, quase 2,2% do valor de mercado total do ativo.

A queima acelerada de ETH é resultado também da alta demanda por transações dentro da rede Ethereum, gerada principalmente pelo crescente mercado de tokens não fungíveis (NFTs). Somente o marketplace OpenSea foi responsável por retirar de circulação 42.072 ethers até hoje.

Com informações: CoinDesk

Mais de US$ 1 bilhão em ether foi queimado após atualização na Ethereum

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.