MP-RJ conclui investigações das ‘rachadinhas’ no gabinete de Flávio

O Gaecc (Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção) concluiu nesta 2ª feira (31.ago.2020) as investigações sobre o caso das “rachadinhas” no gabinete do ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro, hoje senador pelo Republicanos. O inquérito é conhecido como “caso Queiroz”.

O grupo temático do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) enviou os autos do processo ao procurador-geral da Justiça do Rio, Eduardo Gussem, e ao subprocurador-geral de Justiça de Assuntos Criminais e Direitos Humanos, Ricardo Ribeiro Martins. Foram submetidos para “tomada de providências”.

“Tendo em vista as notícias veiculadas pela imprensa nos últimos dias, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) informa que o Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc/MP-RJ) encaminhou, nesta segunda-feira, ao procurador-geral de Justiça, o procedimento criminal referente ao “Caso Flávio Bolsonaro”, comunicando a conclusão das investigações”, disse o MP, em nota.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px
7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Os crimes investigados pelo Gaecc são os de lavagem de dinheiro, peculato e organização criminosa no gabinete de Flávio na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro). Seria coordenado pelo então assessor Fabrício Queiroz, amigo da família Bolsonaro. Queiroz foi preso em junho e hoje cumpre prisão domiciliar.

As investigações correram o risco de serem suspensas depois de o filho 01 do presidente Jair Bolsonaro obter o direito ao foro privilegiado, o que levou o caso para a 2ª Instância, no TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro).

Devido ao foro, o processo também virou atribuição da Procuradoria Geral do Estado. Para manter o Gaecc nas investigações já adiantadas, o órgão fechou 1 acordo de cooperação com os procuradores do grupo. Por isso, o procurador-geral é quem deve decidir pela apresentação ou não da denúncia.

Nota da defesa

Eis a íntegra da nota dos advogados do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ):

“Os promotores da Gaecc manobraram para encontrar uma saída honrosa do Grupo da condução dos trabalhos. O grupo não poderia investigar o senador Flávio Bolsonaro, o que acarretou em uma representação no Conselho Nacional do Ministério Público devido a designação espúria para que o referido grupo permanecesse investigando o parlamentar. O prazo terminaria nesta segunda-feira (31) para explicações do Procurador-Geral de Justiça. Não é verdade que a investigação tenha sido concluída nesta data. Ela já já havia se encerrado com a oitiva do senador Flávio Bolsonaro.

Existe ainda procedimento junto ao CNMP para apurar os constantes vazamentos do procedimento que tramita sob sigilo.”

Entenda: esquema das rachadinhas

Continuar lendo

Com Agências

RSS
Follow by Email
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
Leitores On Line